REME - Revista Mineira de Enfermagem

ISSN (on-line): 2316-9389
ISSN (Versão Impressa): 1415-2762

QUALIS/CAPES: B1
Periodicidade Continuada

Enfermagem UFMG

Busca Avançada

Volume: 10.2

Voltar ao Sumário

Editorial

Saúde, doença e condições de vida

 

Um dos desafios para compreensão do processo saúde doença é compreender a forma como as desigualdades sociais influenciam na distribuição da doença na sociedade. O paradigma epidemiológico parte do pressuposto que a doença se distribui desigualmente no espaço e ocorre também de modo desigual sobre os sujeitos em decorrência de sua inserção no sistema de reprodução social.

Há diferentes abordagens conceituais, metodológicas e técnicas relacionadas ao estudo das desigualdades sociais e saúde. Podemos fazer uma distinção entre estas abordagens em duas correntes, uma considerada "naturalizada", na qual as diferenças são tratadas como simples características biológicas e demográficas, sem conotação social, cultural e política; e outra, mais "politizada", na qual as diferenças assumem a condição de desigualdades ou injustiças produzidas na estrutura social e refletidas no processo saúde-doença.

A determinação social do processo saúde-doença pode ser explicada através da categoria classe social, definida a partir do lugar que os diferentes grupos assumem na organização social, na produção social, também a partir das relações com os meios de produção, papel na organização social e relações de dominação/subordinação. A operacionalização do conceito de classe social é tema bastante complexo, oferecendo limitações e dificuldades do seu uso na prática epidemiológica. Diferentes abordagens vem sendo construídas na perspectiva de demonstrar a determinação social do processo saúde/doença.

Laurell e Noriega1 concedem ao processo de trabalho a explicação da saúde e do adoecer, o que contribui para a compreensão de processos mais amplos de transformação social e de suas repercussões sobre a saúde. Breilh et al.2, retratam o processo de produção e reprodução social como elementos indispensáveis no estudo da determinação social da doença, constituindo em um modelo mais complexo de abordagem.

Possas3 propõe que a partir de um determinado perfil epidemiológico da população, sejam identificadas as situações de risco e daí reconstruir as principais mediações (estilo de vida, condições de vida e de trabalho) de modo a identificar uma linha de determinação do processo saúde/ doença.

O estudo das desigualdades em saúde pode também ser abordado a partir da categoria "condições de vida", proposto por Castellanos4, o qual destaca que "cada indivíduo, família, comunidade e grupo populacional, em cada momento de sua existência, tem necessidades e riscos que lhes são característicos, seja por sua idade, pelo sexo e por outros atributos individuais, seja por sua localização geográfica e ecológica, por sua cultura e nível educativo, ou seja por sua inserção econômico-social, que se traduz em um perfil de problemas de saúde/doença peculiares, os quais favorecem e dificultam, em maior ou menor grau, sua realização como indivíduo e como projeto social". Considera que o perfil de condições de vida expressa quatro dimensões da reprodução social - biológica, ecológica, econômica e da consciência e comportamento e que cada grupo da população terá um perfil de necessidades (riscos)

O perfil epidemiológico de uma dada população, enquanto componente da situação de saúde, segundo Paim5 "é determinado, de um lado, pela estrutura de produção (inserção na estrutura ocupacional), em especial, por meio do processo de trabalho e das condições de trabalho; de outro, pela estrutura de consumo (modo de vida) que, juntamente com a renda auferida no mercado de trabalho, conforma as condições e o estilo de vida." As condições de vida acabam por expressar as condições materiais de existência dos grupos humanos de uma determinada população ou sociedade.

Assim, a reprodução social de uma dada classe social ou fração desta, passa pela infra-estrutura econômica (inserção no mercado de trabalho através da renda e condições de trabalho) mas passa também por todo um conjunto de relações sociais que incluem a intervenção do Estado, como no caso da formulação de políticas públicas, como também pelas ideologias que permeiam o estabelecimento dos níveis de consciência da população sobre os problemas sociais e sobre a organização popular na produção de certas condições de vida.

Isto significa que o estudo das condições de vida (ou desigualdades sociais) de determinados grupos deve levar em conta não só a distribuição de renda e o poder aquisitivo na esfera do consumo individual, mas também certas ações estatais, como a formulação das políticas sociais, que buscam garantir o atendimento de necessidades básicas como a saúde, saneamento, educação, nutrição, segurança e lazer. Enfim, o perfil epidemiológico da população de um país ou o seu quadro sanitário está associado, em última análise, ao seu grau de desenvolvimento sócio-econômico e por conseguinte ao desenvolvimento das políticas sociais, especialmente as de saúde.

Prof. Francisco Carlos Félix Lana

Editor Geral da REME

 

REFERÊNCIAS

1. LAURELL, A.C.; NORIEGA, M. Para o estudo da saúde na sua relação com o processo de produção. In: -------. Processo de produção e saúde: trabalho e desgaste operário. São Paulo: Hucitec, 1989.

2. BREILH, J. Epidemiologia crítica: ciência emancipadora e interculturalidad. Buenos Aires: Lugar Editorial, Buenos Aires, 2003.

3. POSSAS, C. Epidemiologia e Sociedade: heterogeneidade estrutural e saúde no Brasil. São Paulo: Hucitec, 1989.

4. CASTELLANOS, P.L. Epidemiologia, Saúde Pública, Situação de Saúde e Condições de Vida. Considerações Conceituais. In: BARATA, R. B. Condições de vida e situação em saúde. Rio de Janeiro: ABRASCO, 1997. cap.2, p. 31-75.

5. PAIM, Jairnilson Silva. Abordagens Teórico. Conceituais em Estudos de Condições de Vida e Saúde: Notas para Reflexão e Ação. In: BARATA, Rita Barradas. Condições de Vida e Situação em Saúde. Rio de Janeiro: ABRASCO, 1997. 276p. cap.1, p. 7-30.

Logo REME

Logo CC BY
Todo o conteúdo da revista
está licenciado pela Creative
Commons Licence CC BY 4.0

GN1 - Sistemas e Publicações